Espaços urbanos

Espaços urbanos
Para não esquecer o 1.º de maio e sua alusão ao trabalho - foto Robispierre Giuliani

domingo, 11 de agosto de 2013

Villa Minssen - 100 anos

A casa que serviu de residência para a família Minssen, localizada na Rua Comendador Fontoura, 212, Bairro Rio Branco, foi construída em 1913 por Augusto Wilhelm. É por isto uma das mais antigas ainda existentes no bairro que foi aberto em 1912.

Villa Adolfina - Bairro Rio Branco - fototeca Museu Municipal

Chamava atenção a inscrição que a casa trazia em seu frontão: “Villa Adolphina”. A denominação homenageava Adolfina Moser Wilhelm, esposa de Augusto Wilhelm.
A família Wilhelm morou na casa até 1924, ano em que se transferiu para a nova casa construída por Augusto, na esquina da Rua Presidente Vargas com Isidoro Neves da Fontoura, onde depois residiu por vários anos o filho mais novo de Augusto e Adolfina, Dr. Eurico Wilhelm.

2.ª residência de Augusto Wilhelm - acervo COMPAHC
Em 1926, João Minssen adquiriu a "Villa Adolfina" por 30 contos de réis e a inscrição do frontão foi modificada para “Villa Minssen”. Minssen teve prioridade para aquisição da casa por ser casado com Frida, sobrinha de Augusto Wilhelm.
As irmãs Anna, Sara e Otília Minssen, que habitaram a casa por décadas, contavam que Augusto Wilhelm, antes de dar início à sua construção, providenciou na abertura de um poço para abastecimento dos operários e da obra. O poço, todo cimentado, tinha 16 metros de profundidade. Em 1933, João Minssen resolveu fechá-lo, certamente por precaução, pois tinha vários filhos pequenos e já contava com água encanada em sua casa. Em 1992, as irmãs reabriram o poço e mandaram examinar a água, que mostrou-se potável apesar do tempo que esteve fechado!

A casa ao tempo em que as irmãs Anna, Sara e Otília Minssen lá residiam
- acervo COMPAHC

A sala de estar da casa possui pinturas murais feitas em 1941, além de conservar medalhões pintados junto ao teto que remontam ao ano da construção.
A “Villa Minssen” é inventariada pelo COMPAHC – Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural.

2 comentários:

  1. Em 1924, a casa foi alugada para servir de residência e consultório do Dr. Luiz Ferrari, formado em Medicina pela Universidade de Frankfurt, e que também atendia na “Pharmácia do Povo”, de José Gallisa, à Rua Sete de Setembro, nº 114, das 10 às 11 horas e das 14 ás 16 horas (Jornal “O Commercio – 18.06.1924 – pág.1)”

    ResponderExcluir
  2. Hilberto, que informação preciosa. Obrigada!
    Mirian Ritzel

    ResponderExcluir