Espaços urbanos

Espaços urbanos
Placa do 1.º Centenário - Catedral N. Sra. da Conceição - foto Elizabeth Thomsen

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Cachoeira do Sul 200 anos #belaquesóela

Cachoeira do Sul chega aos seus 200 anos de instalação como município e o fotógrafo e publicitário Renato F. Thomsen, com o apoio do filho Maurício Thomsen, presenteia a aniversariante com um passeio pelas suas riquezas históricas, arquitetônicas e naturais. Ela, a aniversariante, se vê refletida sob todos os ângulos, redescobrindo-se em suas belezas e no lirismo de quem lhe olha com os olhos do coração. 

Parabéns, bicentenária Cachoeira do Sul! 

domingo, 2 de agosto de 2020

Série: Cachoeira Bicentenária - primeiros vereadores

Quando a Vila Nova de São João da Cachoeira foi instalada, em 5 de agosto de 1820, um dos rituais cumpridos foi a eleição dos vereadores, homens probos que iriam dirigir os destinos do novo município. Aqueles eram tempos pré-independência do Brasil e, portanto, a conduta administrativa e as atribuições das autoridades eram ditadas pela legislação portuguesa.  

Segundo o livro História Administrativa, Judiciária e Eclesiástica do Rio Grande do Sul, de Amyr Borges Fortes e João B. S. Wagner, se compunham as Câmaras de um juiz, seu presidente nato, três ou quatro vereadores, segundo o foral ou costume da terra, (...) além de um escrivão, um procurador e, em alguns lugares, um tesoureiro. Todos estes membros tomavam o nome de oficiais da Câmara.

Joaquim Bernardino de Sena Ribeiro da Costa, Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina, foi a autoridade encarregada de proceder ao rito de instalação do município. Coube a ele e a seu escrivão, Antônio José Soares de Campos, organizarem, realizarem e publicarem a eleição dos três primeiros vereadores. Procedida a eleição, redigiram o auto de publicação do resultado:

(...) depois de se proceder à eleição na forma da lei, e sendo convocadas as pessoas da Nobreza e Povo da mesma, e na presença de todos, foi aberta e publicada pelo dito Ministro a eleição, e se achou estarem nomeados os seguintes = Para Vereadores João Soeiro de Almeida e Castro, Joaquim Gomes Pereira, Francisco José da Silva Moura, para Procurador Antônio Xavier da Silva, e saiu igualmente eleito para Tesoureiro da Câmara Francisco de Loreto.

Quem eram esses homens? Quais atribuições assumiram? 

O capitão-mor João Soeiro de Almeida e Castro, português de Lamego, nasceu por volta de 1760, filho do cavalheiro João Soeiros de Almeida e Castro e de Josefa Maria de Castro. Casou por duas vezes, sem descendência, falecendo em 6 de janeiro de 1822. Como era costume da época, foi sepultado no adro da Igreja Matriz, junto à porta do consistório do Santíssimo Sacramento. Na eleição, por ser o mais velho, saiu como vereador presidente.


Assinatura de João Soeiro de Almeida e Castro - Arquivo Histórico

O capitão Joaquim Gomes Pereira era natural de Porto Alegre, onde nasceu por volta de 1777, filho do alferes Manoel Gomes Pereira, do Rio de Janeiro, e da açoriana Maria Tereza de São José de Figueredo. Sua esposa, Luiza Joaquina da Natividade, era neta de João Pereira Fortes, um dos troncos das famílias cachoeirenses. O casal teve vários filhos. Além de vereador da primeira composição da Câmara Municipal, foi juiz e coletor das décimas urbanas. Seguiu na vereança, chegando à presidência da Câmara em 1829.


Assinatura de Joaquim Gomes Pereira - Arquivo Histórico

O português Francisco José da Silva Moura era natural da Freguesia de Santa Eulália da Palmeira, nascido por volta de 1787. Seus pais foram Raimundo José da Silva Moura e Joana Rosa. Casou com Joaquina Severa de Mendonça, com descendência. Depois da vereança, foi coletor das décimas urbanas e juiz. Era membro do Partido Português e durante a Revolução Farroupilha, perseguido pelos liberais, teve que fugir para Porto Alegre, de onde só retornou depois de terminada a refrega.

Assinatura de Francisco José da Silva Moura - Arquivo Histórico

O procurador eleito Antônio Xavier da Silva, também português de nascimento, era natural da cidade de Braga, onde foi batizado por volta de 1774. De todos os oficiais da Câmara, foi o que mais funções públicas desempenhou, tendo sido comandante da Vila e vereador por mais de uma vez. Em 1823, inaugurou o serviço do correio local. Era comerciante de vulto, mantendo casa de negócios na Rua da Igreja (Moron). De seu casamento com Catarina Maria de Jesus, houve vários filhos, dentre eles Gaspar Xavier da Silva, que foi genro do Comendador Antônio Vicente da Fontoura e pai do poeta Fontoura Xavier. Antônio Xavier da Silva faleceu em 22 de dezembro de 1848.


Assinatura de Antonio Xavier da Silva - Arquivo Histórico

O tesoureiro eleito Francisco de Loreto era natural de Laguna, onde nasceu em 1742, filho de Antônio de Loreto, de ascendência nobre, e Domingas Bicudo. Francisco de Loreto foi um dos primeiros moradores de Cachoeira, aonde chegou por volta de 1780, trazendo a mulher Rosa Luiza e o primeiro filho, Constantino. Foi o primeiro morador da rua que tomou seu nome - Rua do Loreto, hoje Sete de Setembro. 


Assinaturas do Auto de Criação da Vila
- Francisco de Loreto (à esquerda, a sexta)

Os vereadores e o procurador prestaram juramento perante o Ouvidor Geral, segundo as tradições, apondo sobre o evangelho cada um deles a sua mão direita, jurando verdadeiramente servir ao Rei e aos cargos para os quais haviam sido eleitos.

Desses homens que representaram em seus atos os anseios da Vila Nova de São João da Cachoeira, tomando para si a responsabilidade de conduzir o seu destino, resta hoje a lembrança em nomes de ruas do Bairro Soares. Suas assinaturas são as marcas da passagem pela vida pública, pois João, Joaquim e Francisco José viveram e atuaram em um tempo em que pouco ou nada restou de registro imagético.

O tempo varre os homens e seus atos. Cabe à História recuperar suas memórias.

domingo, 12 de julho de 2020

Série: Cachoeira Bicentenária - Primeira ponte


A primeira ponte erguida em Cachoeira casualmente também é a primeira do Rio Grande do Sul em seu estilo construtivo. Trata-se da Ponte do Botucaraí, mais conhecida como Ponte de Pedra. Sua construção foi de vital importância para estabelecer a ligação da Vila Nova de São João da Cachoeira com a Vila de Rio Pardo e, a partir dela, com Porto Alegre, aproveitando a existência do Passo Real do Botucaraí.

Ponte de Pedra (março de 1955) - Família Friedrich

A história da construção da Ponte de Pedra foi longa e interrompida pelo decênio farroupilha, momento histórico conturbado e de desaceleração do desenvolvimento da província.

A primeira referência a ela surgiu em 19 de maio de 1832, quando o presidente da Câmara de Cachoeira, José Custódio Coelho Leal, apresentou aos demais vereadores uma correspondência do presidente da província, Manoel Antônio Galvão, determinando a elaboração da planta da ponte. A partir disso, teve início uma série de tratativas entre o governo municipal e o provincial no acerto de quais seriam as etapas e as atribuições de cada um para a execução da obra. Quase um ano depois, em 18 de abril de 1833, a Câmara de Cachoeira oficiou ao engenheiro da província, João Martinho Buff, solicitando que elaborasse a planta da ponte. Entre abril de 1833 e setembro de 1835, quando estourou a Revolução Farroupilha, cessaram notícias sobre a obra.

Passados os dez anos da revolução e mais algum tempo, em 5 de junho de 1847, novamente o presidente da província, casualmente o mesmo Manoel Antônio Galvão, pediu a planta da ponte e, em 15 de setembro, recebeu-a junto com o orçamento da construção. No dia 5 de outubro, na abertura da Assembleia Legislativa Provincial, ele apresentou a seguinte informação:

Ponte do Passo Real do Botucaraí. A planta desta ponte encomendada pela Lei nº 33, de 5 de maio de 1846, foi concluída. Ser-vos-á apresentada, bem como o orçamento na importância de Rs. 36:994$720.

Vencidos os trâmites burocráticos, a obra teve início sob o comando de Manoel Fialho de Vargas Filho, empreiteiro que a arrematou pela quantia de 46 contos e oitocentos mil réis e assinou o contrato de execução em 10 de janeiro de 1848.

Em 28 de outubro de 1848, um ofício do Capitão Engenheiro Ajudante do Chefe dos Engenheiros da Comarca, João Pedro de Gusmão Mariz, dava conta ao seu superior que havia feito exame na ponte, informando que “se acha concluída conforme a planta e contrato feito pelo arrematante e me parece estar construída com toda a solidez, visto que tem passado carretas e tropas de gado e não tendo havido até o presente indício de ruína.”

A Ponte de Pedra passou pela história e seguirá testemunhando histórias graças às ações de um grupo de voluntários que em 2010 salvaram-na da destruição. E hoje, ainda que desafie o tempo e as adversidades, segue bela, forte e deleitando os apreciadores das obras do passado e os banhistas nos dias quentes de verão. 

Em 2014, por decisão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado - IPHAE, foi tombada como patrimônio histórico-cultural do Rio Grande do Sul.

Ponte de Pedra - Robispierre Giuliani
Ponte de Pedra - Renato Thomsen

Para saber mais sobre a salvação da Ponte de Pedra, acesse:


sábado, 4 de julho de 2020

Série: Cachoeira Bicentenária - Primeiro hospital


A primeira referência à instalação de um hospital em Cachoeira foi feita ainda no tempo da Vila Nova de São João da Cachoeira pelo vereador e também médico Dr. José Pereira da Silva Goulart. Sua proposta foi apresentada na sessão do dia 15 de outubro de 1846, e atendia ao disposto na Lei de 1.º de outubro de 1828, que estabelecia que as vilas providenciassem na criação de casas de caridade para dar assistência aos expostos* e aos doentes pobres. A instituição deveria se chamar Hospital de São João, mas não obteve aprovação dos demais vereadores, sendo arquivada.

Dr. José Pereira da Silva Goulart
- Acervo Família Vieira da Cunha

Quase vinte anos depois, quando o Imperador Pedro II visitou Cachoeira pela segunda vez, uma das coisas que chamou sua atenção na cidade foi a excelência do trabalho prestado pelo médico pernambucano Cristóvão José Vieira a 26 doentes distribuídos por “duas casas más, porém bem providas de tudo, leitos, colchões, cobertores, medicamentos, pratos de metal, talheres, etc.” Em razão disso, o Imperador sugeriu à Câmara que usasse o recém-aprontado prédio da Casa de Câmara, Júri e Cadeia como hospital, sendo transportados os doentes para lá quando “um dia mais quente permita expô-los ao ar”. 

Antiga Casa de Câmara, Júri e Cadeia - Foto Mirian Ritzel

O cirurgião-mor Cristóvão José Vieira foi reconhecido pelo Imperador que o nomeou diretor-chefe de todos os hospitais existentes ou a serem criados de Porto Alegre até a fronteira. Mas o Dr. Vieira não se afastou de Cachoeira enquanto não achou quem o substituísse. 

O sobrado da Casa de Câmara, Júri e Cadeia foi empregado como hospital militar para atendimento especialmente aos praças do Exército envolvidos com a Guerra do Paraguai, quase todos vitimados não pela guerra, mas pelas condições adversas do clima sulino. O uso não foi muito longo, eis que em novembro de 1865 os vereadores requisitaram ao Ministro da Guerra a devolução do prédio por estar ele sendo ocupado apenas por quatro doentes quase curados, o que foi feito.

Um intervalo de 38 anos separou a solicitação do Imperador da outra iniciativa para dotar a cidade finalmente de um hospital, ou asilo de caridade. Em 1903 o advogado Ernesto Barros publicou no jornal O Commercio um artigo intitulado “Apelo aos corações generosos”, em que conclamava a comunidade a unir esforços para a construção de um prédio que servisse de hospital. A recepção à ideia foi tamanha que em 23 de agosto daquele ano foi lançada a pedra fundamental do nosso primeiro hospital.

Dr. Ernesto Barros

A partir desse ato, muitas campanhas foram deflagradas junto à comunidade e muitos e de todos os tipos foram os auxílios. A obra coube ao construtor português Manoel Gomes Pereira que ergueu um sobrado de 52 palmos de frente por 103 de fundos. A inauguração ocorreu em 11 de dezembro de 1910.

O prédio do nosso primeiro hospital é tombado como patrimônio histórico do município e abriga hoje a Escola de Educação Profissional de Saúde do Hospital de Caridade. Dela já saíram muitos profissionais que estão distribuídos pelos mais diversos lugares do estado e até mesmo fora dele, honrando o profissionalismo demonstrado pelo quase desconhecido e esquecido cirurgião-mor Cristóvão José Vieira.

Escola Profissional de Saúde do HCB - Foto COMPAHC

 *Expostos: crianças abandonadas, enjeitadas.