Espaços urbanos

Espaços urbanos
Catedral em festa - foto Renato F. Thomsen

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

12 de outubro - Dia do Rio Jacuí

O rio Jacuí, grande patrimônio natural, constitui-se na maior vertente leste do Estado e serpenteia suas águas por entre terras cachoeirenses, levando vida e determinando a história, tanto que no calendário oficial do município o dia 12 de outubro é dedicado a ele.

Rio Jacuí serpenteando pelo território cachoeirense - foto Robispierre Giuliani
Foto Robispierre Giuliani

A palavra Jacuí vem de yacu (jacu), galináceo, e y, água, rio: “o rio dos jacus”. O seu nome primitivo é Ygaí, ou seja, ygáu, planta parasita conhecida popularmente como “barba-de-velho” e y, água: “rio da barba-de-velho”. Pode se tratar também de ygara, ygá, canoa, e y, água, o que significa “rio das canoas”.


Canoas no Jacuí - foto Veridiana Dalpian
Rio das canoas - foto Robispierre Giuliani

Cachoeira do Sul deve sua existência ao rio Jacuí. A partir de 1750, quando houve a assinatura do Tratado de Madri, para dar cumprimento ao acordo de fronteiras entre as coroas portuguesa e espanhola, o rio constituiu-se a fronteira entre portugueses e espanhóis e a barreira natural que protegeu e amparou os primeiros povoadores – os soldados portugueses. Suas águas serviram para a sobrevivência e manutenção dos pioneiros e ofereceram também as bases de uma economia calcada primeiramente na pecuária e depois consolidada com o cultivo e exploração das lavouras de arroz. 

A existência do Jacuí também foi determinante para que, em meados do século XIX, a rica economia de Pelotas, baseada na exploração da indústria do charque, fosse abalada pela instalação, em Cachoeira, da primeira charqueada do centro do Rio Grande do Sul, dando início a um período de grande crescimento econômico para a região.

 Complexo remanescente da Charqueada do Paredão às margens do Jacuí
- fototeca Museu Municipal

Mas Cachoeira não deve ao Jacuí somente a existência e a sobrevivência. Deve também o seu nome. Os habitantes da aldeia de índios assentada sobre a elevação do terreno localizado na margem esquerda do rio, proximidades do atual Hospital de Caridade, avistavam diariamente as cachoeiras que encrespavam o leito e acabaram incorporando a palavra cachoeira aos nomes dados à povoação. O primeiro registro da denominação apareceu em 1779, quando o lugar passou de Capela de São Nicolau para Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira. Em 1820, com a emancipação político-administrativa de Cachoeira da Vila de Rio Pardo, o município ganhou o nome de Vila Nova de São João da Cachoeira. Em 1859, pela elevação ao foro de cidade, surgiu a Cidade da Cachoeira e, em 1944, por decreto do Presidente Getúlio Vargas, Cachoeira recebeu o designativo do Sul,  para distinção de cidade homônima na Bahia.

E para endossar a ligação íntima da existência de Cachoeira com o rio até um apelido a cidade ganhou: “Princesa do Jacuí”.

Alguém ainda pode duvidar da força do Jacuí na história, na economia e na vida de Cachoeira do Sul?

5 comentários:

  1. Que amor Mirian! Me deu vontade de saber por exemplo onde nasce o rio Jacui, onde ele desagua, quais os arroios que o alimenta.Vou pesquisar. Obrigada abrisse mais uma curiosidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzana, o Jacuí nasce em Passo Fundo, no meio de um campo cheio de gado!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Que amor Mirian! Me deu vontade de saber por exemplo onde nasce o rio Jacui, onde ele desagua, quais os arroios que o alimenta.Vou pesquisar. Obrigada abrisse mais uma curiosidade.

    ResponderExcluir
  3. Como é importante a exploração do manancial hídrico com a consciência do povo ! Manter a mata ciliar, é perpetuar a vida de um rio !

    ResponderExcluir