Espaços urbanos

Espaços urbanos
Centro Histórico - foto Renato Thomsen

sábado, 28 de janeiro de 2017

O Paço a um passo da ocupação

Os organismos que tratam de patrimônio cultural preconizam que para um bem ser considerado como tal é necessário que a sua conservação seja de interesse público, ou seja, coletivo. Pois o Paço Municipal se enquadra perfeitamente nesta definição desde 1985, quando foi declarado como patrimônio histórico-cultural do município, condição reiterada recentemente quando 1.478 cachoeirenses preocupados com o estado de abandono do prédio clamaram pela sua restauração através de um abaixo-assinado. Outros milhares certamente pensavam da mesma forma, apesar de não terem aposto sua assinatura no documento.

Paço Municipal - foto Cristina da Gama Mór


Vencidas todas as difíceis etapas que precederam o restauro e mesmo as que o acompanharam, o grupo que lidera o Movimento Pró-Restauração do Paço Municipal, apesar dos seus esforços e da liderança que assumiu frente à comunidade e junto ao Executivo, se depara agora com disputas em torno da ocupação do bem restaurado. Antes, quando o prédio estava quase em ruínas, muitas das vozes que agora desejam ocupar seus belos salões foram contrárias ao investimento na obra de recuperação ou ignoraram o processo. Como equalizar estas questões e agregar ao espaço o valor que ele realmente merece depois de ter vivenciado o abandono, o descaso e quase a ruína, respeitando a condição de bem de interesse coletivo?




Parte do grupo do Movimento pró-restauro do Paço
- foto Renato F. Thomsen
              
Voltemos no tempo. Entre 1861 e 1864, anos de execução da obra, sob o comando do empreiteiro/construtor Ferminiano Pereira Soares, cujo rosto é desconhecido, mas a obra não, os esforços para levar a cabo a edificação foram muitos. E muitas também as colaborações espontâneas, história que ora se repete. Naquele tempo, alguns dos vereadores, a começar pelo próprio Ferminiano, também vereador, deram parcelas de contribuição condizentes com suas funções e posses. Ferminiano, proprietário da casa que servia para sessões da Câmara, livrou-a do aluguel enquanto a obra da Casa de Câmara, Júri e Cadeia corresse. Por longos quatro anos Ferminiano não recebeu os valores a que tinha direito pela cessão da sua casa para que os cofres da Câmara pudessem suportar as despesas da construção que lhe eram atribuídas. Da mesma forma o médico e também vereador Juvêncio Cardoso da Cunha deixou de cobrar da Câmara os seus serviços de atendimento aos doentes pobres, assim como fez gratuitamente todas as “bolas” para matar os cães vadios! Outros adquiriram materiais resultantes das demolições de casas que ocupavam o terreno onde o Paço foi construído. Como se vê, a gênese do Paço é um exemplo de desprendimento em prol do interesse coletivo. 150 anos depois a história, simbolicamente, se repete: os cidadãos envolvidos com o movimento pró-restauro emprestam seu conhecimento técnico, sua boa vontade e liderança para verem o velho casarão recuperado em sua beleza e glória. Concluída a obra, é justo que se sintam no direito e na razão de colaborarem e opinarem nas discussões para sua ocupação.

Situemo-nos geográfica e historicamente. O Paço foi construído em terreno fronteiro à Igreja Matriz, na esquina da então rua denominada simplesmente Travessa, no caminho que levava ao arroio Amorim, no lado direito do Teatro “velho”. O poder eclesiástico e o poder civil frente a frente. Enquanto a Câmara não tinha a casa para suas sessões, tampouco o júri e a cadeia, a Igreja servia, muitas vezes, como palco e cenário para acontecimentos da vida política e administrativa. Ainda que com suas diferenças e especificidades, a história aproximava e unia as duas edificações. Até que no primeiro quartel do século XX os avanços sanitários dotaram o cenário dominado pela Igreja e pela Intendência, que era como o Paço então era chamado, de um monumento ao mesmo tempo utilitário e de embelezamento: o Château d’Eau. Pois estes três elementos, circundados por uma praça que se formou e aformoseou o local, tornaram-se um dos mais emblemáticos e imponentes espaços urbanos do Rio Grande do Sul, constituindo o nosso centro histórico.


Praça Dr. Balthazar de Bem fronteira ao Paço - foto Renato F. Thomsen

O Paço a um passo da ocupação: posicionemo-nos. Considerando que a Praça Dr. Balthazar de Bem conjuga três elementos distintos (Catedral, Château d’Eau e Paço) em seus diferentes momentos históricos e funções, todos eles fundamentais para contarem a evolução municipal, e apresenta características arquitetônicas únicas e ao mesmo tempo distintas, sem similares, é imperativo que o Paço seja ocupado por uma instituição cultural que fomente o diálogo entre todos os elementos da praça, conjugando-os em informações histórico-turísticas. Esta instituição cultural é o Museu Municipal de Cachoeira do Sul, cuja história tem se pautado em valorizar os feitos e acontecimentos locais e, dentre valorizá-los, ressaltá-los e difundi-los, conectá-los com os espaços que ainda guardam resquícios históricos.
                
Convençamo-nos que a cultura local e os bens patrimoniais ainda preservados são um tesouro pouco explorado em Cachoeira do Sul. Desperdiçar o potencial da Praça Dr. Balthazar de Bem, ocupar o Paço com setores da administração municipal que podem seguir onde estão e condenar o Museu Municipal ao fechamento pelas deficiências estruturais de sua sede é cerrar as portas para a oportunidade de fruição dos bens que diferenciam e, ao mesmo tempo, dignificam o legado histórico do quinto município mais antigo do Rio Grande do Sul.

 Cento histórico - foto Renato F. Thomsen
              
Defendamos a oportunidade de tornar o nosso centro histórico um centro de referência e de atração de divisas e dividendos. Museu no Paço já! Esta é a melhor forma de vincular ao prédio a sua prerrogativa de bem de interesse coletivo. E não esqueçamos de recuperar a linda casa que ocupa o centro do Parque Municipal da Cultura e talvez almejar para ela, num futuro bem próximo, que sedie a Secretaria Municipal de Cultura e conselhos afins.



25 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Mirian. teu texto sintetiza de forma clara as irrevogáveis razões para que o Paço e o Centro Histórico sejam valorizados, com a ida do Museu Municipal para lá. Osni Schroeder

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Osni, és artífice e arquiteto também desta ideia. Em frente. Museu no Paço já!
      Obrigada!

      Excluir
  3. Totalmente apoiada. Agora que Cachoeira está recuperando sua autoestima, está melhorando com a vinda de estudantes, de sangue novo para oxigenar o crescimento da cidade, é vital valorizar toda a sua história. Cachoeira precisa ter um Museu em um lugar digno da sua trajetória e de seu povo. E mais, com esses atributos poderá atrair visitantes e movimentar ainda mais a economia da região. Quem não se deu por conta disso, precisa viajar mais e ver como outros lugares do mundo se valem da sua história para fomentar a qualidade de vida de seus moradores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem dito, Sílvia. É justamente este viés que nós cachoeirenses temos que aprender a buscar em nossas riquezas.
      Obrigada!

      Excluir
  4. Maravilhosa visão do contexto do Patrimônio de Cachoeira ! Este belo Paço restaurado merece o Museu !
    As administrações públicas de hoje não se adaptam mais a estas riquezas de nossa história.
    Além de muitos outros exemplos, aqui em Floripa o maravilhoso Palácio Cruz e Souza é hoje um museu com espaços para atividades culturais de alto nível!
    Tenho certeza na inteligência e sensibilidade dos atuais administradores !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Suzana. As administrações públicas de hoje não se adaptam e não se preocupam com edificações históricas. E com o nosso Paço não foi diferente, pois esteve abandonada por nove anos. Agora que está retomando a beleza e dignidade, justo é que tenha uma utilização coerente com a sua importância e que se preocupe com a sua preservação.
      Obrigada!

      Excluir
  5. Parabéns, Mirian!

    Uma aula de História e Cultura. Argumentos sólidos para embasar esta luta constante para a preservação do nosso Patrimônio.
    Todo este trabalho, voluntário ou não, no restauro da edificação histórica do Paço Municipal - desenvolvido ao longo dos últimos
    quatro anos - não pode ser ignorado. Ao contrário, as pessoas e entidades envolvidas diretamente nesta bela união de esforço comunitário podem e devem ser ouvidas quanto à destinação futura deste espaço cultural e assim preservar a nossa memória para as próximas gerações.

    A união da comunidade cachoeirense mais uma vez fará a diferença.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. União é nosso lema! E ela fará a diferença, tenho certeza!
      Obrigada!

      Excluir
  6. Perfeitas as colocações.
    Devemos espalhar estas ótimas idéias.
    Tomei a liberdade de colocar um link no Blog da Ponte de Pedra.

    ResponderExcluir
  7. A conscientização da comunidade cachoeirense sobre a importância de salvar o Museu Municipal Dr. Edyr Lima e o dever histórico para com a destinação do prédio do Paço Municipal tem o apoio de todos os Amigos da Cultura de Cachoeira do Sul.

    A hora é agora. Se perpetrada uma "ocupação" sem consulta aos órgãos e especialistas em Patrimônio Histórico, muito pouco poderá ser feito depois.

    ..."Quem sabe faz a hora, não espera acontecer..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito: "Quem sabe faz a hora, não espera acontecer". Obrigada!

      Excluir
  8. Sempre muito lúcida em seus posicionamentos!
    Compactuo e apóio sempre!

    ResponderExcluir
  9. Saudações - Parabéns pela iniciativa! Apoio e fico a disposição para colaborar. Qual seria o próximo passo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próximo passo, Dimas, será convencer o chefe do Executivo da importância do aproveitamento do Paço como espaço de memória e como sede da instituição a que devemos a propagação da história de Cachoeira.

      Excluir