Espaços urbanos

Espaços urbanos
Ponte do Fandango - foto Mireila Moro

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Pedro Faz Tudo

Nossa história está cheia de personalidades interessantes, homens e mulheres que fizeram diferença nos mais diversos segmentos e áreas, muitos dos quais desapareceram da lembrança, apesar do sentido que suas vidas emprestaram à Cachoeira de outros tempos. Relembrá-los é oportunidade de mostrar aos cachoeirenses de hoje o quanto foram capazes de contribuir para a consolidação social, cultural, intelectual e material da comunidade mesmo sem terem tido grande notoriedade.

Uma destas personalidades viveu e deixou marcas em Cachoeira no final do século XIX e início do século XX. Era o italiano Pietro F. Battisti Allegri, ou Pedro Fortunato Baptista, que ficou popularmente conhecido por Pedro Faz Tudo.

Segundo saiu numa edição antiga da Revista Aquarela, de Humberto Atílio Guidugli, Pedro Fortunato Baptista “era homem de iniciativas admiráveis desenvolvidas por uma inteligência invulgar.”

Falecido em 1933, aos 77 anos, este homem que procedia de família da alta aristocracia italiana morreu pobre, solteiro, assistido pelo amigo Henrique Comassetto “que o acolheu nos últimos tempos de sua existência”, segundo publicado na necrologia do jornal O Commercio de 1.º de fevereiro daquele ano.

O primeiro registro que se tem de seu espírito inovador foi em 8 de fevereiro de 1896, quando apareceu desfilando pelas ruas em um velocípede, primeiro veículo deste tipo a aparecer em Cachoeira.


Modelos de velocípedes do século XIX - praiadexangrila.com.br

Foi de sua iniciativa a fundação da primeira casa de exibições da cidade, o Cinema Parque, ao ar livre, surgido em 1909 de sua associação com o também italiano Victorio Livi. Em sociedade com  Rodolfo Homrich, no mesmo ano de 1909, abriu a Fábrica de Licores, situada no Alto dos  Loretos, com depósito também para vinagre.

Pedro Fortunato Baptista, súdito italiano que era, representou seu país como agente consular, sendo também um dos fundadores e presidentes da Sociedade Italiana Príncipe Umberto, inaugurada em 1912, quando compôs a nominata da primeira diretoria como secretário.


Sede da Sociedade Italiana Príncipe Umberto - Cachoeira
Endereço: antiga Rua São João, hoje Pinheiro Machado
- Grande Álbum de Cachoeira - de Benjamin Camozato (1922)


Carta do agente consular da Itália em Cachoeira - P. F. Battisti Allegri
- Acervo documental do Arquivo Histórico

Em 1916 aparecia outro investimento de vulto do Pedro Faz Tudo: a Fábrica de Sacos de Aniagem e Algodão, em sociedade com Archimino Campos e Waldemar Nunes dos Santos, para a qual foram importadas máquinas dos Estados Unidos.

Mas Pedro Faz Tudo também tinha outro dom: o da oratória e escrita. Segundo o mesmo artigo da Revista Aquarela, produzido por Humberto Atílio Guidugli, “Muito cooperou tanto na imprensa, como nas solenidades em que era indispensável a sua presença, produzindo artigos de expressivo fundamento filosófico e discursos encantadores e exuberantes na grandeza do seu sentido.”

Não há por enquanto imagem conhecida de Pedro Faz Tudo, mas ele transformou a Cachoeira de seu tempo, de forma que sua passagem pela nossa história deve ser lembrada como exemplo de inventividade, empreendedorismo e espírito inovador.
  

4 comentários:

  1. Que história mais querida ! Que linda pessoa devias ser o Pedro Faz Tudo ! Obrigada Mírian !

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Suzana! Uma figura interessantíssima!

    ResponderExcluir
  3. Precioso ler e saber do ontem para entendermos o hoje e ver onde está a germinação em um município que admiro, por suas belezas naturais e sua historicidade. Amei saber que ele foi um usuário da bike realmente inovador... Parabenizo seu texto e divulgação de uma pesquisa singela e valorosa. Grata por compartilhar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história é construída pelos grandes e pelos pequenos homens e feitos. Cada um de nós é seu agente. Obrigada pela leitura e apreciação, Glaucy Mara!

      Excluir