Espaços urbanos

Espaços urbanos
Igreja Santo Antônio - foto Mário H. Kämpf

domingo, 2 de março de 2014

Torquato Ferrari

Relembrar os carnavais do passado fez emergir uma figura muito interessante e pouco conhecida dos cachoeirenses: o uruguaio Torquato Ferrari, que se mudou para Cachoeira, onde viveu, trabalhou, constituiu família e morreu.

Torquato Ferrari - acervo de família

Os documentos dele davam como sua profissão a de escultor. O Memorial de Logradouros do Museu Municipal possui uma placa feita pelo mestre Torquato Ferrari. 

Memorial de Logradouros - Museu Municipal
- Vê-se a placa da Praça Borges de Medeiros - obra de Torquato Ferrari
- foto Maurício Saraiva

Tanto o Álbum de Cachoeira, obra de Benjamin Camozato, datado de 1922, quanto a imprensa noticiavam as habilidades de Torquato Ferrari. No álbum de Camozato é possível ver-se fotografias de seus trabalhos em bronze. Mas um precioso álbum de fotografias deste desconhecido artista que viveu em nossa terra revela muitas de suas obras, onde se incluem carros alegóricos de carnaval, da Festa do Arroz, em 1941, e das placas de bronze que ele artisticamente produzia. Dentre estas placas, uma riquíssima, cujo destino é desconhecido, que devia indicar a residência ou consultório do Dr. Balthazar de Bem.


O jornal O Commercio, edição de 3 de maio de 1922, traz a seguinte notícia sobre Torquato Ferrari e suas habilidades:

Marcas de bronze sistema Ferrari. São as melhores pela sua durabilidade e rápido aquecimento, sendo a marcação perfeita e nítida. É a marca ideal adotada pelos criadores modernos. Endereço: A Carioca, Cachoeira. Torquato Ferrari.

Algumas das obras do escultor, vendo-se, à esquerda, uma das marcas de gado
divulgadas pelo jornal O Commercio - acervo familiar

Agradecimento: Marta Ferrari Fortes, filha de Torquato Ferrari, pela cessão do álbum com fotos.


2 comentários:

  1. A história é para ser contada,preservada e principalmente noticiada também, parabéns colega de tantas lutas Mirian Ritzel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. De nada adianta pesquisar, pesquisar e não divulgar!

      Excluir