Espaços urbanos

Espaços urbanos
Catedral em festa - foto Renato F. Thomsen

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Dr. Balthazar de Bem

        Poucos personagens da nossa história têm o privilégio de atravessar o tempo, emergindo do passado com presença tão significativa no presente. Balthazar de Bem é um deles.
         Médico e político com passagem marcante pela vida pública de Cachoeira a partir da primeira década do século XX, foi Intendente e também importante criador e industrialista. Sua Granja da Penha introduziu no município a raça Devon, e a Charqueada do Paredão, sob sua administração, fabricava e comercializava para todo o país o Alimento Fabini, espécie de caldo de carne do passado, resultante de fórmula que reunia glúten, cereais e extrato de carne.

Charqueada do Paredão
         Homem elegante, capaz de construir para a sua família um palacete, atualmente ocupado pela Casa de Cultura Paulo Salzano Vieira da Cunha, Balthazar de Bem também era humanitário. São relembradas até hoje suas provocações à cidade de seu tempo, quando brancos e negros não deviam se misturar socialmente, ocupando lugares separados na Praça José Bonifácio, principal ponto de encontro da população. Um belo dia resolveu vestir sua criadagem com requintados trajes, fazendo-a desfilar em plena Rua 7 de Setembro, escandalizando os puristas da época.

Balthazar (sentado) com a família em sua residência
(atual Casa de Cultura Paulo S. V. da Cunha)

         Médico e amigo de João Neves da Fontoura, Balthazar de Bem militava no mesmo partido político dos Fontoura, o PRR - Partido Republicano Rio-Grandense.
         Em 1924, quando no dia 9 de novembro houve um levante militar com reunião de tropas no Barro Vermelho, Balthazar de Bem seguiu até lá para interferir na contenda. Foi alvejado por um tiro. Transportado em seu automóvel às pressas para a cidade, médico que era, alertou seus acompanhantes de que não sobreviveria. Morreu aos 47 anos no dia 10.
Empreendedor e popular, muito ainda poderia ter dado à cidade que adotou como sua. Deixou viúva a senhora Marina Mattos de Bem e três filhos. Para homenageá-lo, em março de 1925, a Praça Almirante Tamandaré recebeu o seu nome e hoje, transcorridos 87 anos de sua morte, ainda se faz presente em nosso cotidiano cada vez que cruzamos a Praça Balthazar de Bem, principal cartão-postal da cidade.
Praça Balthazar de Bem
(antigas denominações: Praça do Prestes,  Praça da Igreja
e Praça Almirante Tamandaré)
Fotos antigas: fototeca Museu Municipal
Foto atual: Henrique Witeck

Um comentário:

  1. Boa noite! Esse Balthazar do Bem seria o mesmo que estudou com os irmãos mais velhos de Getúlio Vargas em Ouro Preto?

    ResponderExcluir