Espaços urbanos

Espaços urbanos
Ponte do Fandango - foto Mireila Moro

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

E por falar em árvores... no seu dia!


        Em setembro, pouco antes da entrada da primavera, nosso calendário cultural dedica o dia 21 como o Dia da Árvore. Na nossa infância, invariavelmente, o 21 de setembro era dia de relembrar a importância destes vegetais para a nossa vida e retratá-los em desenhos, pinturas e outras técnicas que nossos professores desenvolviam em sala de aula.


         Em 1916, o jornal O Commercio publicou o Decálogo Florestal, uma incitação à conservação das árvores, adiantada postura ecológica em tempos que não cogitavam estes assuntos, texto reproduzido pelo blog em maio de 2011.
         Nas décadas de 1960 e 1970, Cachoeira do Sul era tida como uma das mais arborizadas cidades do Rio Grande do Sul. O que muito orgulhava os cachoeirenses. Ainda conservamos uma boa cobertura vegetal, embora espécies interessantes, especialmente de nossas praças e vias públicas, tenham se perdido. Neste final de inverno, muito têm chamado a atenção a florada dos ipês, especialmente os roxos, de uma exuberância acentuada em relação a anos anteriores.

Vista aérea e panorama da arborização - Facebook

         A importância que a cidade historicamente dá às árvores reflete-se, por exemplo, na antiga denominação popular da Praça José Bonifácio – a Praça das Paineiras – devido ao grande número de árvores desta espécie plantadas nos lugares onde hoje estão as tipuanas. Aliás, paineiras irmãs daquelas encontram-se até hoje no pátio da Escola Estadual Rio Jacuí, tendo merecido tratamento especial do muro, cuja base permite que suas raízes centenárias ocupem o espaço necessário.

         Há também um bairro na cidade, o Vale do Sol, em que as ruas são denominadas com nomes de espécies distintas de árvores: Rua das Manduiranas, Ruas das Spatódeas, Rua das Canafístulas, Rua dos Ipês e outras mais. Não podemos esquecer ainda do nosso encantador Jardim Botânico, que divide espaço com o Jardim Zoológico e o Museu no Parque Municipal da Cultura.

Jardim Botânico - foto Jorge Ritter

         Motivos para comemorar o Dia da Árvore, além dos relacionados à conservação do meio-ambiente, há de sobra em Cachoeira, embora a tristeza da queda de três tipuanas depois das últimas chuvas tenha atingido aqueles que amam as árvores. Que outras sejam plantadas e vinguem, como as octogenárias que lá ainda estão.

 E viva a sombra, porque o verão – há muito – tornou-se nossa preponderante estação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário