Espaços urbanos

Espaços urbanos
Ponte do Fandango com leito submerso - 5/5/2024 - foto Ângelo Netto

quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Incêndio voraz

Vem do jornal O Commercio que circulou em Cachoeira no dia 27 de fevereiro de 1924, a descrição de um incêndio voraz que consumiu duas imponentes construções da Rua 7 de Setembro, ameaçando outras casas que ficavam próximas.

Casa Fialho (esquina) e palacete de Ignácia Oliveira - Rua 7 de Setembro 
- Fototeca Museu Municipal

Foi na madrugada de sábado, 23 de fevereiro,  pelas duas horas da manhã, que a Casa Fialho, pertencente a João Fialho e localizada na Rua 7 de Setembro n.º 173, defronte à Avenida das Paineiras, foi tomada pelo fogo. Os vizinhos deram o sinal com alguns tiros de revólver, atraindo a atenção de várias pessoas das redondezas que acorreram ao local, algumas delas portando baldes de água no afã de apagar as chamas.  O fogo, no entanto, alastrou-se rapidamente, tomando conta do prédio da esquina e do palacete da Viúva Oliveira. A tentativa vã de extinguir o incêndio, com gestos de audácia e coragem de alguns socorristas, foi de grande valia para evitar que o sobrado de propriedade de Jacques Bidone também fosse atingido.

Quadra da Rua 7 de Setembro, vendo-se o palacete da Viúva Oliveira e, na esquina, a Casa Fialho
- Fototeca Museu Municipal

Com muita rapidez o fogo consumiu os dois vastos prédios. Felizmente a família da D. Ignácia Amélia de Oliveira estava fora, em sua chácara na Vila Oliveira. 

A perda na Casa Fialho foi total. Fartamente sortida de fazendas, miudezas, armarinho, roupas feitas, perfumarias e chapéus, fazia pouco menos de dois anos que estava aberta ao público, sendo bastante frequentada não só pelo enorme sortimento que mantinha, como pelos preços atrativos que oferecia.

Bilhete postal (frente e verso) da Casa Fialho - Fototeca Museu Municipal

O incêndio decretou o fechamento temporário da Casa Fialho, que foi reaberta em 2 de setembro de 1924, em outro endereço na mesma Rua 7 de Setembro. Em 1927, João Fialho vendeu a loja para Rosa & Cia., permanecendo na gerência do negócio até 1928, quando transferiu residência com sua família para Porto Alegre.

Quanto ao palacete de Ignácia Amélia, a Viúva Oliveira, que depois ficou conhecida como a "Casa dos Arcos", foi reconstruída em obra contratada com o construtor Santiago Borba, ao custo de 60 contos de réis. Por muito tempo, depois da grande reforma, a Casa dos Arcos foi palco para muitos discursos políticos, pois oferecia uma sacada em três arcos, arquitetura propícia para tais acontecimentos.

Uma das últimas fotos da Casa dos Arcos (1989) - Acervo COMPAHC

Infelizmente a Casa dos Arcos não sobreviveu aos nossos dias, apagando da memória da Rua 7 de Setembro a sua elegante estrutura e abafando o eco dos discursos e das manifestações que empolgaram a Cachoeira de outros tempos.