Espaços urbanos

Espaços urbanos
Ponte do Fandango - Robispierre Giuliani

domingo, 1 de outubro de 2017

O irregular calçamento do Bairro Rio Branco

Seguidamente alguém questiona o porquê do calçamento de algumas ruas do Bairro Rio Branco ser feito com pedras irregulares e tão diferentes dos tradicionais paralelepípedos. Pois as pedras diferentes, em que pese serem alvos de críticas por sua irregularidade, são resultado de um momento histórico ímpar, quando empreendimento público, condições climáticas e solução caseira fizeram parte de uma importante decisão política.

Corria o ano de 1927. Cachoeira nunca havia vivenciado tamanha revolução urbana. As principais ruas e praças viraram verdadeiros canteiros de obras. O resultado da azáfama estava surgindo a olhos vistos. A Avenida das Paineiras não era mais dessas velhas árvores. Tipuanas jovens tomavam os canteiros da nova e belíssima Praça José Bonifácio. Cercadas por delicados anteparos de madeira, necessários para o seu crescimento seguro, as jovens árvores seriam a moldura de uma praça com balaústres, bancos, floreiras e luminárias de primeiro mundo. As calçadas estavam sendo cobertas com um mosaico de padrão especial, cujo nome adotado foi apropriadamente "Cachoeira", pois cobria grandes extensões de passeios na cidade que se renovava sob a batuta de João Neves da Fontoura. Os paralelepípedos cobriam a velha poeira da Sete e de outras ruas. As pedras, vindas de Porto Alegre, chegavam às toneladas no porto.

Novo aspecto da Rua Sete de Setembro com as obras de urbanização
- Fototeca Museu Municipal

Mas veio a estiagem. A seca se anunciava nas águas baixas do Jacuí. As grandes chatas carregadas de paralelepípedos pesados tiveram que interromper a viagem de Porto Alegre a Cachoeira, pois o risco de encalharem nas águas diminuídas era grande.

Chegada de paralelepípedos no porto - Acervo Joaquim Vidal

João Neves discutia com seus assessores diretos que não era possível interromper as obras. Tinha planos para encerrar o ano com todas as melhorias concluídas. 1928 seria ano de finalização de mandato e de outros voos. As grandiosas obras de urbanização que ele herdara – e tocara tão bem – do velho Chico Gama, tinham que ser concluídas! Não havia espaço para atrasos. Que maçada a dificuldade de trazer os paralelepípedos! Havia ainda muito trabalho de calçamento a ser feito, especialmente no ainda jovem Bairro Rio Branco. Eis que alguém anuncia duas pedreiras da cidade que poderiam fornecer o material necessário.

Santiago Borba, um construtor, e Dr. Paulo Felizardo, engenheiro, haviam iniciado a exploração de duas pedreiras, uma localizada próximo da Estação Ferreira e outra no lugar chamado Enforcados. Consultado o diretor das obras municipais, Dr. Acylino Carvalho, João Neves resolveu empregar a pedra destas pedreiras nos calçamentos por concluir.

Estação Ferreira - Acervo COMPAHC

No entanto, as pedreiras locais não tiveram capacidade de vencer a encomenda, de forma que algumas poucas ruas foram calçadas com o “meláfiro preto de grande dureza”, dentre elas algumas de pouco trânsito no Bairro Rio Branco, local quase que exclusivamente composto por casas residenciais. As obras de calçamento foram contratadas pela Intendência na forma de pequenas empreitadas e solucionaram momentaneamente a interrupção do fornecimento de material por via fluvial, garantindo que a grande obra de urbanização e modernização da cidade não fosse interrompida com prejuízo às finanças e aos anseios da municipalidade.

Uma das obras de calçamento no Bairro Rio Branco - Acervo Coralio Cabeda

Como se vê, as pedras irregulares e escuras do Bairro Rio Branco são, muito antes do que um incômodo ao trânsito – uma lição do passado. Traduzem em sua irregularidade o regular uso das finanças públicas, do potencial local e o cumprimento de promessa política. Algo raro e absolutamente irregular nos nossos tempos!

17 comentários:

  1. Muito bom divulgar este assunto, Mirian. Boa escolha!

    ResponderExcluir
  2. Adoro ler suas histórias da nossa cidade. Por alguns instantes vivo nesse passado cheio de encantos e que me fascina. Parabéns pelo seu exemplar trabalho e incentivo a cultura da nossa cidade

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Júlia! Incentivos como o teu ao meu trabalho me impulsionam. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Continue narrando a história Mirian. De Cachoeira!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom! Continue narrando a história Mirian. De Cachoeira!

    ResponderExcluir
  6. Também sou um grande admirador do seu trabalho parabéns continue postando.

    ResponderExcluir
  7. Magnífico trabalho, de resgatar e esclarecer fatos como este de nossa história. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  8. Outra bela história sobre nossa terra. Morei na localidade de Enforcados durante minha infância e adolescência, com meus avós maternos, que provavelmente conheceram a tal pedreira, já que nasceram, construíram suas vidas e sua família e faleceram naquele mesmo lugar. Mais uma vez, parabenizo a ti, Miriam, pelo excelente trabalho de resgate histórico do Município, bem como a preservação das memórias da nossa gente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Veri! Ainda que existam aqueles que pensem que o passado deva ser sepultado e o entendam como limitador do crescimento presente e futuro, a maioria das pessoas valorizam a memória porque entendem ser ela um importante elo que nos une e aproxima daqueles que nos antecederam. Só o passado é verdadeiramente o nosso tempo, porque já o vivemos ou dele guardamos as lembranças. O presente é totalmente efêmero e o futuro ainda não chegou! Obrigada pelo incentivo.

      Excluir
  9. Pena que toda a beleza da Praça José Bonifácio se perdeu no tempo. Assim como outros belos prédios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isto é preciso divulgar a nossa história, única forma de fazer as pessoas conhecerem o patrimônio que nossa cidade tem e apoiarem a sua preservação. Abraço, Berê!

      Excluir
  10. Parabéns pelo blog, me faz muito bem ler sobre os acontecimentos de nossa terra, sou uma apaixonada pela nossa cidade de Cachoeira do Sul, obrigada por compartilhar tanta riqueza!

    ResponderExcluir