Espaços urbanos

Espaços urbanos
Igreja Santo Antônio - César Roos

domingo, 16 de maio de 2021

Ataque à Charqueada!!!

A Charqueada e Estabelecimento Paredão foi uma das mais poderosas forças econômicas de Cachoeira e responsável por substanciais repasses de recursos ao município desde o final do século XIX até o primeiro quarto do século XX. 

Charqueada do Paredão - Museu Municipal


Sua instalação à margem esquerda do Jacuí, no ano de 1878, representou uma guinada na indústria saladeiril rio-grandense. As congêneres da Charqueada do Paredão concentravam-se nas regiões da campanha e no sul do estado, principalmente em Pelotas. O estabelecimento do negócio em Cachoeira, centro do estado, favoreceu sobremaneira os tropeiros de gado, reduzindo o envio de tropas para o sul! Em tempos de condução do gado a pé era grande negócio encurtar o trajeto. Para os criadores locais, comerciar com a Charqueada era mais vantajoso ainda, especialmente porque havia grandes campos de invernada nas redondezas do complexo industrial.

Em 1887, a charqueada passou para capital inglês, adotando o nome Brazilian Extract of Meat and Hide Factory. Com a mudança de administração, a indústria equipou-se, estendeu a gama de produtos e fez grandes investimentos no complexo à beira do rio.

Uma das grandes melhorias foi a reconstrução do pavilhão de conservas em 1909. Com projeto de engenheiros ingleses, o pavilhão foi erguido pelo construtor Antonelli Oreste na parte de alvenaria, ficando a marcenaria a cargo de Carlos Böer. A estrutura do telhado veio da Inglaterra e as madeiras empregadas foram cabriúva, louro e pinho de riga. Para favorecer a circulação e renovação do ar, o prédio foi construído com dezenas de janelas e aberturas laterais em toda a extensão da cumeeira.

Pavilhão da Charqueada (1909) - Ernani Marques


2021. Um dos mais representativos registros da memória econômica de Cachoeira do Sul está sendo atacado e vilipendiado à luz do dia! As grandes e envidraçadas janelas pensadas pelos ingleses para introdução da luz e do ar necessário ao trabalho exibem o esqueleto do pavilhão. Sua cobertura, pouco a pouco, desaparece... Os dilapidadores do patrimônio histórico servem-se de tudo que encontram por lá e enchem carros e caminhonetes, sentindo-se senhores do que parece não ter dono... 





Pavilhão saqueado - SMIC

Os bens do patrimônio histórico deviam ser entendidos como pertencentes a todos. Ainda que deles possamos descobrir autoria, construtores, propósitos, sua existência e permanência advêm de decisões que perpassaram gerações. Que medidas devem ser tomadas com quem se julga no direito de dilapidar o que não é somente seu, mas de todos?

Onde está o compromisso, enquanto sociedade, com a nossa própria história? 

2 comentários:

  1. Mirian, teu texto-denúncia é uma aula indispensável. Urge que busquemos respostas coletivas para as duas perguntas candentes que encerram tua aula. Um abraço de vizinho que se orgulha do teu trabalho incansável!

    ResponderExcluir
  2. Preservar o passado nos faz compreender o presente e mirar no futuro.
    Triste ver a inoperância do poder público que junto com a sociedade em geral, deveriam garantir a preservação, a conservação e a segurança deste magnífico patrimônio histórico.

    ResponderExcluir